BioJHPt

Nossa Senhora de Fátima Parochie

 

Quem é o Padre Jacques Hetsen:

 

 

Nasci em Zwaag (província de Noord Holland, nos Países Baixos) em 2 de Junho de 1943, filho de Jan e Marie Hetsen, que se mudaram em 1966 para Oostelijk, em Flevoland, na Plasschelaan, em Dronten, para começar uma nova empresa de frutas. Aos 13 anos, comecei a minha formação como missionário Mill Hill através de nossos colégios em Hoorn, Tilburg e mais tarde para estudar Filosofia, em Roosendaal, e Teologia, na Mill Hill, em Londres .

Em 30 de junho de 1968, fui ordenado sacerdote na Igreja H. Ludgerus, em Dronten. Após a minha ordenação, a paróquia de Dronten me apoiou no meu trabalho missionário. 3 anos após a minha ordenação, fui nomeado como orientador dos nossos candidatos que estudavam em nosso colégio interno em Tilburg. Depois de três anos, fechamos o colégio e fui designado para a nossa missão em Uganda. Lá, eu tive que trabalhar com a tribo de Iteso, cuja língua nilótica e hábitos pude aprender sob a liderança de um colega missionário de MillHill. Esta foi uma experiência envolvente, mas não sem perigo por causa da situação política do governo de Idi Amin. Mais de 100.000 pessoas morreram neste período. Eu trabalhei lá de 1971 até 1978 e então em 1978, fui convidado pela liderança da Congregação St. Joseph de Mill Hill para estudar Teologia Pastoral

Primeiramente, eu estudei um ano no Heythrop College, em Londres, e escrevi uma tese sobre "o sacramento e cura dos doentes". Depois, me mudei para a Bélgica onde, através Instituto de Lumen Vitae , eu me formei em Licenciatura em “Teologia Pastoral e da Catequese”, na Universidade de Louvain la Neuve, com uma tese sobre “Pequenas Comunidades Cristãs na Africa Anglófona e Francófona.”

Em 1982, eu tive permissão para ir para o Brasil, primeiramente para Brasília, onde fomos convidados para fazer um curso de inculturação da língua e história, etc . Jamais esquecerei os 10 dias "de estágio" que nós passamos com uma família brasileira, onde ninguém falava uma língua estrangeira. No final do curso, fui de ônibus para a diocese de Itaguai, no Rio de Janeiro, onde trabalhei com Dom Vital Wilderink, que no ano passado morreu em um acidente de trânsito, após ter vivido como eremita por anos em meio a belas montanhas e cachoeiras em Lidice, também no Rio de Janeiro.

Em 1991, fui chamado de volta para a Holanda para liderar os nossos 200 missionarios de Mill Hill que viviam ou trabalhavam na Holanda. De 1996 a 1997, desfrutei de um período sabático de 9 meses em Israel, para estudar a Bíblia.

Depois voltei para Itaguaí /RJ, no Brasil. Em 2000, fui eleito pelo Capítulo Geral de Mill Hill como Superior Geral da Congregação em Londres, o que me deu a oportunidade de visitar todos os membros de nossa Congregação espalhados por vários países do mundo. Naquela época, havia 565 membros, enquanto que atualmente há 385 membros. Os novos candidatos vêm principalmente da África, Ásia, enquanto que previamente eles vinham principalmente da Europa e dos Estados Unidos. Depois destes cinco anos, eu fiz um curso de três meses na Africa do Sul e em 2006, eu comecei trabalhar como padre na paróquia de Nossa Senhora de Fátima, em Amsterdam. Pela primeira vez, trabalhei no nível de básico no meu país, e durante muito tempo me senti como estrangeiro no meio dos muitos imigrantes de outros países em Amsterdam. Acho fascinante tentar traduzir o Evangelho para a nossa sociedade secularizada, onde a busca por Deus está viva e onde a procura pela espiritualidade também está claramente presente .Também me compadeço com a situação de muitos dos nossos paroquianos, que têm que trabalhar tão duro e muitas vezes ainda são explorados por outros. A situação das pessoas não-documentadas também me toca muito.

O contato com outras igrejas migrantes que tem o Português como a língua usada tanto na Holanda quanto em outras partes da Europa, me interessa muito. Acho muito positivo ter um grupo de oração carismático em nossa igreja e também ter um coral\coro próprio. Também estou feliz por ter o apoio do meu colega da Mill Hill, Padre Bernardo den Boer. Vamos torcer para que nós possamos desfrutar um da presença do outro por muito tempo ainda.

Pe. Thiago/Jac Hetsen

 

 

Voltar para página O padre fala